SapoTelecom
Pesquisar
FacebbokTwitterLinkedinSapo VídeosFoursquareInstagram
PT anuncia os resultados de 2008
quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2009
Os resultados da PT referentes a 2008 foram hoje conhecidos e registam uma melhoria em todos os negócios. Em conferência de imprensa, Zeinal Bava, presidente executivo da PT, realçou o aumento das receitas operacionais na ordem dos 9,5%, face a 2007, e reforçou que os resultados positivos foram “fruto de um grande trabalho em equipa”

 

Zeinal Bava apresentou os resultados
de 2008 em conferência de imprensa

Em conferência de imprensa, convocada para a manhã de 18 de Fevereiro, o Conselho de Administração da PT apresentou os resultados obtidos em 2008. Um ano assinalado por diversos marcos de sucesso, em contra-ciclo com a economia e com muitas das empresas ligadas ao sector. Mais uma vez, a empresa ultrapassou as expectativas do mercado e registou uma melhoria em todos os negócios. (Veja o comunicado com os resultados anuais de 2008)

A Portugal Telecom fechou o ano de 2008 com resultados positivos. “O nosso balanço é sólido”, referiu Zeinal Bava durante a sessão que decorreu no Fórum Telecom. As receitas operacionais consolidadas totalizaram 6.734 milhões de euros, um aumento de 9,5% face a 2007, impulsionadas pelo crescimento da TMN e Vivo. O EBITDA excluindo custos com benefícios de reforma (PRBs) aumentou 8,6%, para os 2.488 milhões de euros. Em 2008, o EBITDA aumentou para 2.443 milhões de euros, o equivalente a uma margem de 36,3%, e o resultado operacional atingiu 1.175 milhões de euros. Excluindo os impactos extraordinários, o lucro líquido aumentou 4,7%, relativamente a 2007.

Luís Pacheco de Melo, administrador do
Grupo PT, partilhou os dados financeiros
O presidente executivo da PT comunicou que a empresa manteve “forte rentabilidade não só em Portugal como nas operações internacionais” e assinalou o facto da PT ter acrescentado “1,3 milhões de clientes por mês. Definimos 2008 como um ano de crescimento na empresa”, uma meta que foi alcançada. Os resultados demonstraram uma sólida performance operacional e um crescimento sustentando nas operações domésticas e internacionais. De acordo com Luís Pacheco de Melo, administrador do Grupo PT, que focou o desempenho financeiro da PT, “todos os nossos negócios nacionais e internacionais tiveram um forte desempenho operacional e de clientes”.

De destacar os resultados obtidos durante o 4º trimestre de 2008, com as receitas operacionais e o EBITDA consolidado, excluindo PRBs, a ascenderem 1.701 milhões de euros e 616 milhões de euros, respectivamente, ou seja, um crescimento de 5,1% e 7,2%, face a igual período de 2007. O lucro líquido aumentou 100,3% face ao 4º trimestre de 2007, para 144 milhões de euros.

Zeinal Bava fez menção a alguns marcos estratégicos de 2008 nomeadamente a reorganização da empresa em segmentos que levou a uma aproximação da PT com os seus clientes. A televisão foi outro marco importante. O Meo é um serviço avançado e inovador no qual a PT tem feito uma aposta clara em conteúdos. Os resultados apresentados demonstraram um crescimento sem precedentes em televisão. Segundo o CEO da PT, como consequência da concorrência “o nosso mercado está a expandir” e é possível a empresa atingir a massa crítica. O Meo já possui 312 mil clientes e “continuámos a crescer neste mês de Janeiro”.

No 4º trimestre de 2008, as receitas da PT Comunicações cresceram 2%. O melhor desempenho dos últimos 16/17 trimestres. “Estamos a reduzir a perda de linhas de telefone” e a inverter tendências. “Quando em Setembro de 2007 constituímos a PT Portugal lançámos um projecto ambicioso” para o negócio fixo – a aposta na televisão. A mobilização dos colaboradores fez com o “que o nosso nível de confiança aumentasse significativamente”. A Portugal Telecom assegurou que pretende continuar a manter os seus programas de recrutamento de jovens e de formação e que “em 2009 não queremos prescindir de nenhum trabalhador nosso”.

Ao nível do negócio móvel, “temos feito uma aposta no reforço da nossa cobertura”. A PT detém a liderança na Banda Larga (BL) em Portugal e está a apostar também na melhoria da cobertura de dados. No âmbito do programa e.escola, a empresa já distribuiu 350 mil computadores portáteis. “Continuamos a ser o operador que mais investe” neste projecto. “Transformámos Portugal no 2º país com maior penetração de Banda Larga Móvel da Europa”. A PT tem “investido em projectos estruturantes” e afirma-se como um dos maiores grupos de investimento no país. Em 2009, a empresa pretende continuar a investir em Portugal.

Relativamente às operações internacionais, Brasil e África continuam a ser grandes apostas. A Vivo cresceu a sua base de clientes em 34% e, no final de 2008, a operadora detinha uma quota de mercado próximo dos 30%, mantendo a liderança no mercado brasileiro. “Acreditamos que a penetração em termos móveis vai continuar a aumentar. A Banda Larga vai aumentar significativamente”, afirmou Zeinal Bava. África é um continente de grandes potencialidades de crescimento futuro. “Vamos lançar o SAPO Moçambique”, esta semana.

Durante a conferência de imprensa, o presidente executivo falou ainda do compromisso PT com o tema da Sustentabilidade e Responsabilidade Social. Assumir os valores de cidadania das operações em que marca presença é um dos pilares fundamentais da PT. “Temos reforçado os nossos programas de responsabilidade social”. À semelhança do que aconteceu na Namíbia, a PT vai anunciar um novo projecto-piloto com o computador Magalhães, em Moçambique. Relativamente à questão ambiental, “o nosso sector pode contribuir” para diminuir o impacto das emissões de carbono. No que diz respeito aos colaboradores, o CEO declarou que a aposta PT na valorização e desenvolvimento profissional vai ser reforçada.

Expressando o seu entusiasmo com os resultados obtidos em 2008, Zeinal Bava agradeceu o envolvimento e empenho dos colaboradores e salientou que estes resultados foram “fruto de um grande trabalho de equipa que todos nós fizemos”.

Em resumo, o ano de 2008 ficou marcado por:

  • Fortes resultados anuais e melhoria em todos os negócios;
  • Inversão da tendência nas adições líquidas das RGUs e das receitas do negócio fixo doméstico impulsionadas pelo forte crescimento da Televisão;
  • Forte crescimento no negócio doméstico móvel alimentado pelos serviços de dados e por ofertas convergentes;
  • Crescimento contínuo da rentabilidade nas operações móveis internacionais através do aumento da contribuição de cash flow;
  • Forte geração de cash flow, apesar do investimento feito para o crescimento do negócio.
  • Aumento da dívida líquida devido ao programa de recompra de acções;
  • Maturidades da dívida e posição líquida adequadas
partilhar notícia