SapoTelecom
Pesquisar
FacebbokTwitterLinkedinSapo VídeosFoursquare
Green Festival, por si, por nós, pelo futuro – Faça Parte
sexta-feira, 18 de Setembro de 2009
‘Estamos a deixar para as gerações futuras tantas opções como aquelas que temos hoje?’ Este foi o tema da conferência que marcou o arranque da 2ª edição do Green Festival.

A segunda edição do Green Festival, um festival de referência na área do Desenvolvimento Sustentável que fomenta a promoção e sensibilização da população para com as preocupações ambientais, decorre de 18 a 25 de Setembro no Centro de Congressos do Estoril.

A Portugal Telecom é uma empresa com metas ambiciosas e ser uma referência em sustentabilidade é uma delas. Assim, em 2009 volta a patrocinar o Green Festival, o evento que procura reunir opiniões e ideias em torno do desenvolvimento sustentável e levar as empresas a actuarem nesse sentido.

Rui Gonçalves Pereira
apresentou algumas medidas
adoptadas pela PT e reforçou
dizendo que estão a ser
criados um conjunto de
serviços amigos do ambiente

O arranque do evento ficou marcado pela realização da grande conferência subordinada ao tema ‘Estamos a deixar para as gerações futuras tantas opções como aquelas que temos hoje?’. Para debater este assunto foram convidados alguns intervenientes da sociedade portuguesa, nas diversas áreas de conhecimento: telecomunicações, sistema financeiro, mobilidade, infra-estruturas, construção, energia e responsabilidade social.

O painel de oradores contou com a presença de Rui Gonçalves Pereira, administrador PT, Pedro Rocha e Melo, vice-presidente da Brisa, Nuno Amado, presidente banco Santander Totta, José Silva Rodrigues, presidente da Carris, José de Melo Bandeira, administrador-delegado da Dalkia Portugal, Vera Pires Coelho, presidente da Edifer, Fernando Nobre, presidente da Fundação Assistência Médica Internacional e Harlem Gro Brundtland, autora do mais conhecido documento sobre o Desenvolvimento Sustentável, Our Common Future.

Sustentabilidade, boas práticas, e desafios estiveram em destaque na conferência, sendo que o principal foco esteve na questão do que irão as empresas fazer quando tiverem que pagar as suas próprias emissões de carbono. No caso da Portugal Telecom, este é um “tema muito importante, estando a empresa envolvida neste tema há cerca de 10 anos”, explica Rui Gonçalves Pereira. O administrador realçou o facto de a PT já ter tomado “várias medidas para redução do consumo energético, assim como a aplicação de energias renováveis”.

O debate, moderado por Ricardo Costa, director-adjunto do Expresso, teve como objectivo a partilha de opiniões e estratégias sobre as medidas que as empresas encontram para enfrentarem o desafio da melhoria das condições do planeta para as gerações futuras.

Rui Gonçalves Pereira realçou que a PT definiu como objectivo estratégico ser uma referência ao nível da sustentabilidade. Para isso têm sido tomadas um conjunto de medidas ao longo dos anos, como a certificação energética dos edifícios PT, a instalação de energias renováveis nas antenas PT, a factura electrónica, entre outras. Para o administrador, o mais importante é “consciencializar os colaboradores da PT para as pequenas coisas que individualmente se podem ir fazendo, como aderirem à factura electrónica, e que contribuem para que no futuro essa imagem chegue a todos os portugueses. É importante que todos caminhem no mesmo sentido”.


Na zona de Exposição e Actividades a Portugal Telecom apresentou algumas das suas melhores práticas na área da sustentabilidade: um cartão SIM feito inteiramente de papel, o Samsung Eco, produzido com o Blue Earth (telemóvel touch solar), a factura electrónica, o Sapo Naturlink (um local com informação sobre natureza e ambiente), uma tela em PVC impressa com componentes reciclados de telemóveis (obra de Daniela Ribeiro, artista plástica), sacos e cadernos reciclados e o protótipo MEO iMETER, desenvolvido pela PT Inovação, que permite controlar os gastos energéticos de uma casa através de um canal Meo.


O Samsung Eco tem uma estrutura de bioplástico obtido a partir do milho, embalagem feita de papel reciclado e alarme que avisa quando a bateria está cheia (poupa energia)

Novo cartão SIM, feito inteiramente de papel e amigo do ambiente: quando incinerado não emite cloreto nem dioxinas, 100% bio-degradável, pode ser reciclado em bio combustível e é esteticamente agradável

O Blue Earth é o primeiro equipamento touch solar, não possui halogénio e é feito de plástico reciclado. A embalagem é feita de papel reciclado e inclui auricular em PVC

MEO iMETER, um protótipo desenvolvido pela PT Inovação que vai ajudar no futuro a monitorizar e controlar os gastos de energia em casa, e assim poupar energia e dinheiro, tudo através de um canal Meo.

Tela em PVC impressa com componentes reciclados de telemóveis. Uma obra de Daniela Ribeiro, astista plástica

O Sapo Naturlink oferece a melhor ligação da internet à natureza, com informação de qualidade sobre a natureza e o ambiente


A iniciativa, organizada pelo consórcio Green Values e pela Câmara Municipal de Cascais, procura mudar mentalidades. Durante oito dias, o Centro de Congressos do Estoril reúne empresas, instituições e público em geral num movimento para uma mudança de comportamentos em prol do desenvolvimento sustentável.

Os participantes podem assistir a conferências e visitar as áreas temáticas ou de entretenimento. O evento será marcado pela Grande Conferência e pela atribuição de um prémio à presença mais sustentável durante os oitos dias do Green Fest. Para isso os expositores são desafiados a adoptarem as melhores técnicas e actividades sustentáveis.



Na sua segunda edição o festival traz uma série de novidades, ficando marcado pelo alargamento das iniciativas por novas áreas temáticas, nomeadamente Green Building (dedicada à eficiência energética, construção e energias renováveis), Green Home, (electrodomésticos e electrónica de consumo), Green Consumer (produtos de grande consumo) e Green Places (espaço dedicado às autarquias e ecoturismo).

Estas novas áreas vêm juntar-se a outras já conhecidas do público: Green Thinking (workshops, seminários e cultura), Green Fun, (playground, entretenimento e sensibilização para crianças), Green People (solidariedade, saúde e bem-estar), Green Taste (alimentação saudável e mercado biológico) e Green Trends (arte, moda, decoração, tecnologia e mobilidade).

Entre as novas actividades, destacam-se os workshops sobre mudanças de estilo de vida, feng shui, sessões de yoga, a oportunidade para experimentar o baptismo de mergulho, o mercado biológico e a Feira de Artesanato Sustentável.

partilhar notícia