SapoTelecom
Pesquisar
FacebbokTwitterLinkedinSapo VídeosFoursquareInstagram
PT: gente com fibra
sexta-feira, 15 de Maio de 2009
A PT quer "transformar Portugal num país ainda mais brilhante". Deu a conhecer a estratégia de implementação da rede de fibra, a rede para os próximos 100 anos

“Somos gente de fibra.” As palavras de Zeinal Bava no maior encontro de quadros PT, que decorreu no Pavilhão Atlântico, Parque das Nações, em Lisboa, anunciam a ambição da PT de “transformar Portugal num país ainda mais brilhante”. O presidente executivo agradeceu aos colaboradores o desempenho e a dedicação na conquista das metas estabelecidas, mas novos desafios se impõem: “Juntos vamos conseguir fazer da PT uma referência na Europa e no Mundo”, levando a fibra a casa dos portugueses.

Durante o encontro, o presidente executivo reforçou o orgulho nos 100 anos de história, marcados pelas alegrias que a rede de cobre trouxe. Mas hoje a PT volta a fazer história. Escreve-se um novo capítulo que se inicia com uma promessa de resposta à crise, anúncios de investimentos, manutenção de postos de trabalho e, acima de tudo, confiança no futuro. E com um “Muito Obrigado”, dirigido aos “heróis deste sucesso”, foram celebradas as metas superadas pela empresa.

Estamos a viver “um momento histórico em Portugal. Esta é uma oportunidade que só vem uma vez na vida”. O presidente executivo divulgou aos cerca de seis mil colaboradores presentes a estratégia de implementação da nova rede de fibra óptica. Esta nova rede vai permitir o acesso a serviços de alto débito e de elevada fiabilidade e responder às necessidades cada vez mais exigentes dos consumidores portugueses. Vai passar a existir uma nova forma de trabalhar e uma nova era de criação e colaboração.

“Ousemos a gravidade”

A PT irá permitir que Portugal se torne
no terceiro país do mundo com mais
cobertura de fibra, a seguir à Coreia e Japão

“Fomos surpreendidos pela grande confiança que os consumidores depositaram na Portugal Telecom e no Meo.” Segundo o presidente executivo a aceleração na procura do Meo obrigou a empresa a trabalhar dia e noite, a repensar a melhor solução para encarar “o futuro com confiança e, acima de tudo, garantir uma infra-estrutura que possa garantir o sucesso da nossa empresa para os próximos 100 anos”. E para isso: “Ousemos a gravidade”, dizia Zeinal Bava, que quer colocar Portugal entre os três países do mundo com mais cobertura de fibra, seguido da Coreia e do Japão.

No âmbito da estratégia de implementação de fibra óptica, a PT já tem a decorrer uma fase piloto técnico e pretende atingir um milhão de casas – “o número mágico” –, passadas até ao final deste ano, com uma rede de 50 mil quilómetros de cabo de fibra óptica.

O cobre marcou o último século do sector das telecomunicações, mas aproxima-se do seu limite de capacidade, em termos de largura de banda máxima e cobertura. As necessidades do mercado mudaram. Existem mais exigências, maior interactividade e necessidade de colocar valor acrescentado nas soluções disponibilizadas. “A tecnologia não pode ser um travão ao nosso desenvolvimento”, mas sim um acelerador. Para implementar o projecto de fibra, a PT optou pela solução GPON - Gigabit Passive Optical Network . Esta aposta pioneira vai revolucionar a experiência do cliente, através da disponibilização de serviços de internet mais rápidos e fiáveis, televisão de alta definição e serviços de comunicação e entretenimento avançados. “Com este investimento em fibra, com esta ambição que colocámos neste projecto, tal como fizemos na TDT, queremos colocar Portugal no pelotão da frente”.

Além das vantagens para os clientes, este projecto vai ter um impacto directo e positivo na economia e na sociedade portuguesa. Ao nível económico vai possibilitar a criação de cinco mil postos de trabalho, desenvolvimento de novos modelos de negócio, promoção de 30 mil horas de formação e aumento de produtividade. Maior interconectividade na educação, mais colaboração e partilha de informação na saúde, promoção da infoinclusão são alguns dos contributos sociais. Mas também em questões ambientais existem benefícios: desmaterialização (já que a fibra dispensa, por exemplo, no que diz respeito ao serviço de televisão, o recurso a caixas) e optimização de processos e redução do consumo energético. “Quem compra fibra é verde”, relembrou Zeinal Bava, que pôs em foco a sustentabilidade como eixo de desenvolvimento.

Soluções de e-learning, telepresença, telemedicina e para pessoas com necessidades especiais à velocidade da fibra
estiveram em demonstração

Para o desenvolvimento do projecto de fibra óptica em Portugal, a empresa fez as parcerias tecnológicas com os melhores do mundo porque acredita que a qualidade do serviço é uma vantagem competitiva estrutural para qualquer empresa, referiu Zeinal Bava. A Corning é um desses parceiros – a empresa que inventou a fibra – e colocou à disposição da PT cerca de 2.500 doutorados.

Foi também a outros parceiros que Zeinal Bava apresentou a rede para o próximo século. Agentes comerciais e vendedores estiveram reunidos para conhecer uma mensagem com três focos fundamentais: o compromisso com o crescimento, a fibra como solução de futuro e a estratégia da PT na fibra. O presidente executivo não deixou de sublinhar a relação de apoio e confiança estabelecida com estes parceiros, sustentada também na garantia de que a PT proporcionará uma experiência incomparável aos seus clientes. 

Através do site www.meofibra.pt, disponibilizado pela Portugal Telecom, pode ficar a conhecer a fibra do futuro e perceber quais as suas potencialidades.

O número mágico inspira-nos

O objectivo de partida foi o crescimento e foi com redobrada confiança que Zeinal Bava afirmou: “Temos a melhor equipa do mundo no sector das telecomunicações”. Por isso, para o presidente executivo não ficam dúvidas que a empresa vai continuar a crescer.

“Os resultados que nós anunciámos no primeiro trimestre confirmam que sabemos onde estamos, sabemos para onde vamos e sabemos como lá chegar.” Para o triénio de 2009-2011, a Portugal Telecom tem metas muito ambiciosas:

  • Atingir 100 milhões de clientes (10 vezes a população portuguesa);
  • O negócio internacional tem que corresponder a mais de  2/3 das receitas PT;
  • Liderar todos os segmentos marca presença;
  • Desempenho superior em retorno accionista e resultados operacionais e financeiros de forma a ser uma das melhores empresas de telecomunicações do mundo;
  • Posicionar a PT como uma referência em sustentabilidade.

Com a fibra a PT cria uma rede à prova do futuro, um futuro
que se anuncia mais verde

Perante o número mágico – 1 milhão – o CEO relembrou os recentes resultados alcançados para alicerçar a confiança no futuro. Os 750 mil clientes de banda larga móvel e os mais de 400 mil clientes Meo, por exemplo, não deixam que o sucesso da PT passe indiferente no mercado. Razões não faltam portanto para que a PT receba “os aplausos do mercado”, tal como se verificou ontem face aos resultados apresentados, que reflectiram um crescimento no sector de 3%.

Zeinal Bava salientou o papel da empresa na democratização do uso do computador e respectivos efeitos na sociedade portuguesa, os resultados alcançados nas áreas residencial e empresarial, e ainda o sucesso da reorganização por segmentos empreendida na PT. As receitas na ordem dos 50% do negócio internacional motivaram a pergunta: “Como conseguimos atingir este objectivo?”. A resposta foi prontamente dada pelo CEO: “Fizemos opções e investimos”, uma postura que hoje implica que não se possa pensar na PT sem pensar no Brasil. A estratégia de diversificação do negócio na maior operadora de telecomunicações portuguesa permite-lhe continuar a crescer sustentadamente e com menos risco. Por esta razão, a PT aposta também no mercado africano, para onde tem enviado os melhores quadros, de modo a que a penetração do negócio móvel possa atingir índices mais elevados.

Com o reconhecimento do mercado, que é “soberano”, a PT alcançou níveis de credibilidade que lhe têm permitido abraçar novos desafios, que se impõem também no âmbito da sustentabilidade. A PT tem uma visão clara relativamente ao seu papel na sociedade: “se queremos garantir o bem-estar das próximas gerações, temos que vestir a camisola do ambiente”. E para isso a empresa está empenhada em dar um contributo sério para evitar o aquecimento global.

Esta postura reflecte-se também internamente, através da aposta da formação, na garantia de melhores condições de trabalho, na criação de um gabinete de apoio direccionado para os colaboradores e na criação de bibliotecas. A recente reorganização da Direcção de Activos Humanos, o programa de rejuvenescimento de quadro e o facto da empresa não dispensar colaboradores são representativos da prioridade da responsabilidade social interna. E antes de anunciar o projecto de investimento na fibra as palavras serviram para felicitar os colaboradores: “Uma salva de palmas para vocês. Grandes 18 meses”.

Azul: a cor oficial da PT

O momento de divulgação do projecto de fibra óptica da PT foi, ainda, assinalado pela divulgação da nova imagem, que traduz a mudança que tem projectado a empresa para o futuro. Segundo Luís Avelar, administrador da PT, “este é um momento marcante da mudança da PT”. Por entre um espectáculo multimédia de luz e de cor, Zeinal Bava deu a conhecer a nova imagem de forma original e reforçou que “o azul passa a ser a cor oficial da Portugal Telecom”.

A divulgação da estratégia de implementação de fibra óptica e a nova imagem foram também os motivos da conferência de imprensa que decorreu no Pavilhão Atlântico e que antecedeu o Encontro de Quadros PT. Durante a conferência, Zeinal Bava dirigiu-se aos jornalistas e salientou que “os 100 megas de que falamos hoje em dia, daqui a dois ou três anos vão parecerem históricos. Não faz sentido instalar redes que não sejam ‘future proof’ (à prova do futuro)”.

“A fibra óptica já está a nascer em todo o país. Consigo queremos transformar Portugal num país ainda mais brilhante.”

partilhar notícia