25/08/2017

PT repôs mais de 1000 quilómetros de cabos em apenas dois meses

Desde junho, mais de 1500 pessoas estiveram no terreno para dar resposta rápida e eficaz à reposição de mais de 12 mil postes ardidos e mais de 1000 km de cabos queimados. Na conferência de imprensa de 24 de agosto, em Lisboa, Alexandre Fonseca, Chief Technology Officer (CTO) da Altice/PT, enalteceu o trabalho, a dedicação e o altruísmo das equipas que diariamente têm contribuído para restaurar a rede e levar os serviços de comunicações a todas as regiões afetadas.

Em apenas dois meses, arderam 170 mil hectares de território português, valor que representa seis vezes mais do que a média total de área ardida nos últimos 10 anos. Um flagelo nacional que tem afetado os serviços de comunicações em todo o país e perante o qual as equipas técnicas da PT têm trabalhado, de forma incansável, no sentido de repor a rede de comunicações.

Presente de norte a sul, de este a oeste do país, e sendo a única operadora com capilaridade nacional, a Altice/PT tem procurado incessantemente defender o interesse público e restabelecer todas as comunicações com todos os meios que tem disponíveis.
 
Só no incêndio de Pedrogão Grande, que envolveu seis concelhos e que resultou em 53 mil hectares de área ardida, mais de 500 quilómetros de cabo, de cobre ou fibra ótica, foram afetados. “Tendo em conta a dimensão dos fogos e os cerca de 13 mil clientes existentes nesta área, a PT mobilizou, de forma imediata, mais de duas centenas de pessoas e 100 viaturas para o terreno”, revelou Alexandre Fonseca. Estes esforços no terreno permitiram recuperar 98 % dos serviços num período de apenas 4 dias e meio. “E com ações de recuperação a decorrer ainda com fogos ativos.”
Além de Pedrógão Grande, a Altice/PT interveio em Mação, em Ferreira do Zêzere, na Sertã, no Gavião, em Castelo Branco, em Tomar, em Mangualde, em Oliveira do Hospital e nos demais concelhos afetados pelos incêndios nos últimos meses.

“Nunca abdicamos de disponibilizar tudo o que temos. A cedência de mais de uma dezena de telefones satélite e a colocação em pontos estratégicos de unidades transportáveis de rede móvel, no seu todo 17, foi uma realidade constante para uso e apoio dos autarcas de freguesia para assim servir as comunidades locais, os centros de saúde e extensões de saúde, polos da Segurança Social, municípios e outros organismos de serviço público, mesmo que não clientes da PT”, garantiu o responsável.

Durante este balanço sobre o trabalho dos técnicos no terreno, o CTO da Altice/PT lembrou que a “esmagadora maioria da rede e dos serviços foram recuperados em menos de uma semana, quando a sua construção se prolongou durante décadas”. Perante todo o cenário de calamidade que o país tem vivido nos últimos meses, a preocupação da Altice/PT tem sido a de garantir que as redes são resilientes, que dão resposta às necessidades e que cumprem os níveis de serviço. Alexandre Fonseca destaca também que o grupo está empenhado numa melhoria constante e na evolução da própria rede.

Quanto à rede SIRESP, o CTO está convicto de que “a PT tem cumprido e superado inequivocamente com todos os níveis de serviço contratados”. Atualmente, a Altice/PT integra dois grupos de trabalho no âmbito do aumento da resiliência e da redundância da rede SIRESP e, inclusive, entregou uma proposta técnica de criação de redundância de rede.

 Modelo - Bloco Galeria

 

 

 Modelo - Bloco Colunas